28 julho, 2010

O Palhaço Que Sentiu-se Palhaço

Deixou o picadeiro e voltou para o camarim
No circo da vida, o pobre palhaço, sentiu-se palhaço
E o sorriso pintado em seu rosto deixou de fazer sentido
Desbotava em tons esbranquiçados
E não sentia-se mais engraçado

Ele que a tantos deu sentido para sorrir
Via-se sem sentido
Sem razões para voltar

Juntou um pano de cetim
E um retrato amarelado
Algumas amarguras e um sorriso sem graça
Todos em sua mochila nas costas a carregar

Seguiu como um artista do circo das desilusões
Que resolveu deixar o palco para nunca mais voltar
Seria então sua vez agora
Dos outros e da vida,

Sorrir.


(Gabriel B. Rodrigues)
_________________________________________________

Realmente muito tempo sem postar. Devo isso ao fato de não ter tido férias, e nem as terei, aliado fato de ter sido o mês mais corrido do ano. Mas este tempo serviu para surpreender-me. É em momentos como este que você descobre que certas coisas que pareciam só ter importancia para você, podem ser muito importantes para outras pessoas. Fiquei realmente muito feliz ao ver a grande quantidade de pessoas que vieram me perguntar sobre o blog, e dizer que sentiam falta das postagens. Aos meus grande amigos, e aqueles companheiros de jornada, meu muito obrigado.

19 comentários:

Joyce Kelly disse...

Visitei o seu espaço nos últimos dias e sempre me deparava com a postagem anterior - "Sua falta" - e, na verdade, era isso que eu estava sentindo... Senti a falta de ler o que aqui escreves. E, mais uma vez escreveu algo que me faz admirar ainda mais o seu trabalho.

Quando as coisas perdem a razão de ser, perdem o encanto, perde-se também todo o desejo de continuar. E assim é o momento de dar-mos lugar a outras emoções, outros prazeres. E, quem sabe assim, nos encontrar-mos em outros picadeiros com uma nova plateia.

Parabéns pelo poema.
Beijão, Gabriel.

Rafa disse...

O título por si só já é muito chamativo né? Lega a proposto do poema

http://cemiteriodaspalavrasperdidas.blogspot.com/2010/07/agua-com-acucar.html

disse...

Quantas vezes nos sentimos assim, nao é? Palhaços de alguem ou de alguma coisa sem ter o picadeiro para nos esconder!!!
Bjs

Leticia/Leonardo disse...

Lindooo o texto!! =]
adorei o blog
ehehe
bjos
Leticia
http://www.novalexandrianimes.blogspot.com/

http://www.novalexandrianet.blogspot.com/

luiz scalercio disse...

bellissimo texto
gostei muito.
prbns e sucesso.

Rogerio disse...

belo texto...bom para se ler...ultimamente sorrimos por qualquer coisa...talvez ate parece um sorriso idiota...

shameless boy...* disse...

que texto lindo!!...*
adorei meeesmo...*


blog lindo viu!!..*

Fany disse...

a primeira vez que venho aqui achei muito bom, adoro postagens desse tipo!

voltarei mais vezes aqui e jah estou te seguindo!

meu blog!

http://1myliife.blogspot.com/

Tati disse...

Coisa linda!
Que delícia vir aqui! Que delícia visitar versos livres, desprovidos de pudores sem sentido!
Lindo! Lindo!

Alan Costa disse...

muuuito bom a forma como você estruturou as palavras, foi escrito de uma maneira amena e agradavel de ler, mto bom mesmo.

Camila Passatuto disse...

Passei aqui para conhecer e me encantei com a simplicidade do primeiro poema que li.

É isso que precisamos hoje, lavar a alma do mundo com dizeres sinceros... elaborados para emocionar, fazer pensar, dar ou não esperanças...

É disso que a humanidade precisa...que em seu porão sonhadores realizem o que os holofotes cegos não capturam.

Bom te conhecer, poeta.

Voltarei.

Pedro disse...

Esse palhaço é você?
Isso sempre acontece, nos dedicamos demasiadamente à alguém e, de repente, levamos um chute, a felicidade que entregávamos aquela pessoa simplesmente se torna nossa pedra.

Gabriel disse...

Não não Pedro, não sou.
Isto é uma metáfora, sobre algo que eu queria dizer, só não quero ter de explicar, ok? =]

Abraço.

Gabriel Pozzi disse...

é a primeira vez que entro aqui e devo dizer que tive uma ótima impressão do local.
vc parece ter um público já montado de leitores, além de textos bonitos! :)
parabéns, espero voltar logo e encontrar novas melancolias e sinestesias como encontrei nesse poema do palhaço!

http://songsweetsong.blogspot.com/

Tatyana França disse...

às vezes, a gente se sente assim: palhaço que faz graça, mas não sorri!
curti o texto! e ainda mais o fim, quando chegou a hora do palhaço, enfim, rir da vida. :)

abs

carla disse...

VC é um ótimo escritor " poeta" não sei como prefere ser chamado!! parabéns li os outros post muito bom!!

palavras ao vento disse...

belo texto...para se pensar e refletir...parabens;.;.

Leandro Ferreira disse...

Muito bom texto, adorei

http://leandroferreirao.blogspot.com/

também tenho um blog desse estilo, se vc quiser dar uma passada e deixar sua opinião irei ficar grato.

Muito bom blog, virei seguidor

Tatiana M. disse...

Palhaços da vida! Acho que é assim que nos sentimos muitas vezes... um 'palhaço do circo sem futuro'. Mas é ótimo ler como você expressa isso.