10 dezembro, 2008

Memórias

Se por ti sinto saudade
É a prova que ainda te amo
Pois sei que ainda há um tom de verdade
Que permanece, ano a ano

Risquei-te da lista, te apaguei do borrão
Tentei te tirar da mente
Mas ainda estais no coração
Porque nadas contra a corrente
E insiste tão veemente
Nos acordes de meu violão

O que restou foram cartas amareladas
Sussurros, e tuas juras
Que estão despedaçadas
Junto às amarguras

De memórias adiadas
_________________________________________
Poeminha que me veio a mente quase que de uma vez
só, em uma noite. Tão derrepente, quanto singelo.

0 comentários: